IRS – Regime simplificado

publicado em 04-04-2014

(Circular nº 5/2014, de 20 de março, da AT)

 

«A Lei nº 83-C/2013, de 31 de dezembro, que aprovou o Orçamento de Estado para 2014, alterou a redação do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS, passando a prever novos coeficientes para obtenção do rendimento tributável quando a determinação dos rendimentos empresariais e profissionais, da categoria B, é feita com base na aplicação das regras decorrentes do regime simplificado

 

Tendo-se suscitado dúvidas na interpretação das alíneas b) e c) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS, foi, por Despacho de Sua Excelência o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, de 28 de fevereiro, sancionado o seguinte entendimento:

 

I. Rendimentos das atividades profissionais constantes da tabela a que serefere o artigo 151º previstos na alínea b) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS

 

1. Encontram-se abrangidos na alínea b) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS os rendimentos auferidos no exercício, por conta própria, de qualquer atividade de prestação de serviços que tenham enquadramento na alínea b) do nº 1 do artigo 3º do mesmo Código, independentemente da atividade exercida estar, nos termos do artigo 151.º do Código do IRS, classificada de acordo com a Classificação Portuguesa de Atividades Económicas (CAE), do Instituto Nacional de Estatística, ou de acordo com os códigos mencionados na tabela de atividades aprovada pela Portaria nº 1011/2001, de 21 de agosto, incluindo a atividade com o código "1519 Outros prestadores de serviços", uma vez que o normativo em causa não remete para as atividades identificadas de forma específica na tabela de atividades, ao contrário do que sucede na alínea b) do nº 1 do artigo 101º do Código do IRS para efeitos de retenção na fonte.

 

2. Estão ainda incluídos no âmbito da incidência do normativo em causa os rendimentos provenientes da prática de atos isolados referentes a atividades abrangidas na alínea b) do nº 1 do artigo 3º do Código do IRS, a que se refere a alínea i) do nº 2 do mesmo artigo.

 

3. Excluem-se dos rendimentos previstos na alínea b) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS, os decorrentes de prestações de serviços efetuadas pelo sócio a uma sociedade abrangida  pelo regime da transparência  fiscal, nos termos da alínea  b)  do  nº  1  do  artigo 6º do Código do IRC, por se encontrarem excecionados da aplicação dos coeficientes, ao abrigo do disposto no corpo do nº 2 deste artigo 31º.

 

4. Fora do âmbito de aplicação deste normativo estão também os rendimentos provenientes das prestações de serviços que, por força do artigo 4º do Código do IRS, sejam enquadráveis na alínea a) do nº 1 do artigo 3º do mesmo Código (atividades comerciais e industriais, agrícolas, silvícolas e pecuárias), uma vez que as atividades comerciais e industriais elencadas no artigo 4º que operam através de prestações de serviços, de que constituem exemplo os serviços de transporte, serviços hoteleiros e similares, serviços de restauração e serviços prestados por agências de viagens, são enquadráveis na alínea a) do nº 1 deste artigo 3º e não na alínea b) do nº 1 do mesmo artigo (cf. Circular nº 5, de 12/03/2001, da Direção de Serviços do IRS).

 

5. A estes rendimentos decorrentes de atividades comerciais e industriais que operam através de prestações de serviços, com enquadramento na alínea a) do nº 1 do artigo 3º do Código do IRS, é aplicável o coeficiente de 0,10, a que se refere a alínea e) do nº 2 do artigo 31º do mesmo Código, exceto se outros se encontrarem previstos nas alíneas anteriores deste nº 2.

 

II. Resultado positivo de rendimentos prediais, a que faz menção a alínea e) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS

 

Para efeitos da aplicação do coeficiente de 0,95 a que se refere a alínea c) do nº 2 do artigo 31º do Código do IRS, por "resultado positivo de rendimentos prediais" deve considerar-se o resultado que se apura mediante a dedução aos rendimentos prediais brutos das despesas e encargos previstos no artigo 41º do mesmo Código , nos termos e condições aí previstos , sendo considerado apenas o resultado que seja positivo.

 

O Diretor Geral

(José António de Azevedo Pereira)

 

 

 

 

 

algeria 

 

não esquecer

Principais Obrigações Fiscais - Abril

IRS – Tabelas de retenção na fonte / 2015

Orçamento do Estado para 2015

Produtos e Materiais de Construção Sujeitos a «Marcação CE»

IMT - Tabelas Práticas 2015

Salário Mínimo, IAS e UC para 2015

Ajudas de Custo 2015

Subsidio de Refeição e de Viagem 2015

Mapa de Férias 2015

Regime de Bens em Circulação

Juros de Mora Comerciais - 1º semestre. 2015

Horário de trabalho e livrete - pessoal afeto à exploração de veículos. Entendimento da ACT

Renovação da Carta de Condução

Contrato Coletivo de Trabalho do Setor

Cadastro Comercial

CAE - Rev. 3 Classificação Portuguesa de Actividades Económicas

Livro de Reclamações

Livretes Individuais de Controlo

Indicação de Preços

Uso da Língua Portuguesa

 

youtube

GREY/GREEN

Filme Promocional da Fileira dos Materiais de Construção, das Empresas e da Arquitetura e Engenharia Portuguesas.

 

SUBSCREVER NEWSLETTER apcmc news

clique aqui

 

 

 

 

sage

 

manutenção de sites